Vida

O assassinato de Rasputin

O assassinato de Rasputin


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

O misterioso Grigory Efimovich Rasputin, um camponês que reivindicava poderes de cura e previsão, teve o ouvido da russa Czarina Alexandra. A aristocracia tinha opiniões negativas sobre um camponês em uma posição tão alta e os camponeses não gostavam dos rumores de que a czarina estava dormindo com um canalha. Rasputin era vista como "a força das trevas" que estava arruinando a mãe Rússia.

Para salvar a monarquia, vários membros da aristocracia conspiraram para assassinar Rasputin. Na noite de 16 de dezembro de 1916, eles tentaram. O plano era simples. No entanto, naquela noite fatídica, os conspiradores descobriram que matar Rasputin seria realmente muito difícil.

O Monge Louco

O czar Nicolau II e Czarina Alexandra, imperadora e imperatriz da Rússia, tentaram durante anos dar à luz um herdeiro masculino. Depois que quatro meninas nasceram, o casal real ficou desesperado. Eles chamaram muitos místicos e homens santos. Finalmente, em 1904, Alexandra deu à luz um menino, Aleksei Nikolayevich. Infelizmente, o garoto que havia sido a resposta para suas orações foi atingido pela "doença real", hemofilia. Toda vez que Aleksei começou a sangrar, não parava. O casal real ficou frenético ao encontrar uma cura para o filho. Novamente, místicos, homens santos e curandeiros foram consultados. Nada ajudou até 1908, quando Rasputin foi chamado para ajudar o jovem czarevich durante um de seus episódios de sangramento.

Rasputin era um camponês nascido na cidade siberiana de Pokrovskoye em 10 de janeiro, provavelmente no ano de 1869. Rasputin passou por uma transformação religiosa por volta dos 18 anos e passou três meses no mosteiro de Verkhoturye. Quando ele voltou para Pokrovskoye, ele era um homem mudado. Embora ele se casasse com Proskovia Fyodorovna e tivesse três filhos com ela (duas meninas e um menino), ele começou a vagar como strannik ("peregrino" ou "andarilho"). Durante suas andanças, Rasputin viajou para a Grécia e Jerusalém. Embora ele viajasse muitas vezes de volta para Pokrovskoye, ele se encontrou em São Petersburgo em 1903. Naquela época, ele estava se proclamando um starets, ou homem santo que tinha poderes de cura e poderia prever o futuro.

Quando Rasputin foi convocado para o palácio real em 1908, ele provou que tinha um poder de cura. Ao contrário de seus antecessores, Rasputin foi capaz de ajudar o garoto. Como ele fez isso ainda é muito disputado. Algumas pessoas dizem que Rasputin usou hipnotismo; outros dizem que Rasputin não sabia hipnotizar. Parte da mística continuada de Rasputin é a questão remanescente sobre se ele realmente tinha os poderes que reivindicou.

Tendo provado seus poderes sagrados para Alexandra, no entanto, Rasputin não permaneceu apenas o curador de Aleksei; Rasputin logo se tornou confidente e consultor pessoal de Alexandra. Para os aristocratas, ter um camponês aconselhando a czarina, que por sua vez exercia grande influência sobre o czar, era inaceitável. Além disso, Rasputin adorava álcool e sexo, os quais consumia em excesso. Embora Rasputin parecesse ser um homem santo piedoso e santo diante do casal real, outros o viam como um camponês que ansiava por sexo e estava arruinando a Rússia e a monarquia. Não ajudou que Rasputin estivesse fazendo sexo com mulheres da alta sociedade em troca de conceder favores políticos, nem que muitos na Rússia acreditassem que Rasputin e a czarina eram amantes e queriam fazer uma paz separada com os alemães; Rússia e Alemanha foram inimigas durante a Primeira Guerra Mundial

Muitas pessoas queriam se livrar de Rasputin. Tentando esclarecer o casal real sobre o perigo em que estavam, pessoas influentes abordaram Nicholas e Alexandra com a verdade sobre Rasputin e os rumores que estavam circulando. Para grande consternação de todos, ambos se recusaram a ouvir. Então, quem mataria Rasputin antes que a monarquia fosse completamente destruída?

Os Assassinos

Príncipe Felix Yusupov parecia um assassino improvável. Ele não apenas era o herdeiro de uma vasta fortuna familiar, mas também era casado com a sobrinha do czar Irina, uma bela jovem. Yusupov também era considerado muito bonito e, com sua aparência e dinheiro, ele era capaz de se entregar às suas fantasias. Suas fantasias geralmente eram na forma de sexo, muitas das quais eram consideradas perversas na época, especialmente o travestismo e a homossexualidade. Os historiadores pensam que esses atributos ajudaram Yusupov a prender Rasputin.

Grão-Duque Dmitry Pavlovich era primo do czar Nicolau II. Pavlovich já foi noivo da filha mais velha do czar, Olga Nikolaevna, mas sua amizade contínua com Yusupov, de tendência homossexual, fez o casal real romper o noivado.

Vladimir Purishkevich era um membro franco da Duma, a câmara baixa do parlamento russo. Em 19 de novembro de 1916, Purishkevich fez um discurso empolgante na Duma, no qual ele disse:

"Os ministros do czar que foram transformados em marionetes, marionetes cujos fios foram tomados com firmeza pelas mãos de Rasputin e da imperatriz Alexandra Fyodorovna - o gênio maligno da Rússia e do czar ... que permaneceu alemão no trono russo e alheio ao país e seu povo ".

Yusupov participou do discurso e depois contatou Purishkevich, que rapidamente concordou em participar do assassinato de Rasputin.

Outros envolvidos foram o tenente Sergei Mikhailovich Sukhotin, um jovem oficial convalescente do Regimento Preobrazhensky. O Dr. Stanislaus de Lazovert era um amigo e médico de Purishkevich. Lazovert foi adicionado como o quinto membro porque eles precisavam de alguém para dirigir o carro.

O plano

O plano era relativamente simples. Yusupov era amigo de Rasputin e depois atraía Rasputin ao palácio de Yusupov para ser morto.

Como Pavlovich estava ocupado todas as noites até 16 de dezembro e Purishkevich partia em um trem hospitalar para a frente em 17 de dezembro, foi decidido que o assassinato seria cometido na noite de 16 e nas primeiras horas da manhã de 17 de dezembro. Quanto a que horas, os conspiradores queriam que a cobertura da noite escondesse o assassinato e a disposição do corpo. Além disso, Yusupov notou que o apartamento de Rasputin não era vigiado depois da meia-noite. Foi decidido que Yusupov pegaria Rasputin em seu apartamento às meia-noite e meia.

Conhecendo o amor de Rasputin por sexo, os conspiradores usariam a bela esposa de Yusupov, Irina, como isca. Yusupov diria a Rasputin que poderia encontrá-la no palácio com a sugestão de uma possível ligação sexual. Yusupov escreveu à esposa, que estava hospedada em sua casa na Crimeia, para pedir que ela se juntasse a ele nesse importante evento. Depois de várias cartas, ela escreveu de volta no início de dezembro, histeria, dizendo que não podia continuar com isso. Os conspiradores tiveram que encontrar uma maneira de atrair Rasputin sem realmente ter Irina lá. Eles decidiram manter Irina como uma atração, mas fingiram sua presença.

Yusupov e Rasputin entrariam em uma entrada lateral do palácio com escadas que levavam ao porão, para que ninguém pudesse vê-los entrar ou sair do palácio. Yusupov estava reformando o porão como uma aconchegante sala de jantar. Como o palácio de Yusupov ficava ao longo do Canal Moika e em frente a uma delegacia, não era possível usar armas por medo de serem ouvidas. Assim, eles decidiram usar veneno.

A sala de jantar no porão seria montada como se vários convidados tivessem acabado de sair com pressa. O barulho vinha do andar de cima, como se a esposa de Yusupov estivesse entretendo uma companhia inesperada. Yusupov diria a Rasputin que sua esposa desceria assim que seus convidados fossem embora. Enquanto esperava Irina, Yusupov ofereceria doces e vinhos com rasputin e cianeto de potássio.

Eles precisavam garantir que ninguém soubesse que Rasputin estava indo com Yusupov ao seu palácio. Além de exortar Rasputin a não contar a ninguém seu encontro com Irina, o plano era que Yusupov pegasse Rasputin pelas escadas traseiras de seu apartamento. Finalmente, os conspiradores decidiram que ligariam para o restaurante / pousada Villa Rhode na noite do assassinato para perguntar se Rasputin já estava lá, na esperança de fazer parecer que ele era esperado lá, mas nunca apareceu.

Depois que Rasputin foi morto, os conspiradores iam enrolar o corpo em um tapete, pesá-lo e jogá-lo no rio. Como o inverno já havia chegado, a maioria dos rios perto de São Petersburgo estava congelada. Os conspiradores passaram a manhã procurando um buraco adequado no gelo para despejar o corpo. Eles encontraram um no rio Malaya Nevka.

A configuração

Em novembro, cerca de um mês antes do assassinato, Yusupov contatou Maria Golovina, uma amiga de longa data que também estava perto de Rasputin. Ele reclamou que estava sofrendo dores no peito que os médicos não conseguiram curar. Ela imediatamente sugeriu que ele visse Rasputin por seus poderes curativos, como Yusupov sabia que ela faria. Golovina organizou um encontro para os dois em seu apartamento. A amizade artificial começou e Rasputin começou a chamar Yusupov com o apelido de "Little One".

Rasputin e Yusupov se encontraram várias vezes durante novembro e dezembro. Como Yusupov havia dito a Rasputin que não queria que sua família soubesse da amizade deles, ficou combinado que Yusupov entraria e sairia do apartamento de Rasputin por uma escada nos fundos. Muitos especularam que mais do que "cura" continuava nessas sessões e que os dois estavam envolvidos sexualmente.

Em algum momento, Yusupov mencionou que sua esposa chegaria da Crimeia em meados de dezembro. Rasputin mostrou interesse em conhecê-la, então eles combinaram que Rasputin conhecesse Irina logo após a meia-noite de 17 de dezembro. Também foi acordado que Yusupov pegaria Rasputin e o deixaria.

Por vários meses, Rasputin vivia com medo. Ele estava bebendo muito mais do que o habitual e dançando constantemente ao som da música cigana para tentar esquecer seu terror. Inúmeras vezes, Rasputin mencionou às pessoas que ele seria morto. Se isso foi uma premonição verdadeira ou se ele ouviu os rumores circulando por São Petersburgo é incerto. Mesmo no último dia de Rasputin vivo, várias pessoas o visitaram para avisá-lo para ficar em casa e não sair.

Por volta da meia-noite de 16 de dezembro, Rasputin mudou de roupa para uma camisa azul clara, bordada com flores e calças de veludo azul. Embora ele tivesse concordado em não contar a ninguém para onde estava indo naquela noite, ele havia dito a várias pessoas, incluindo sua filha Maria e Golovina, que o apresentaram a Yusupov.

O assassinato

Perto da meia-noite, todos os conspiradores se encontraram no palácio Yusupov, na recém-criada sala de jantar do porão. Doces e vinho adornavam a mesa. Lazovert calçou luvas de borracha e depois esmagou os cristais de cianeto de potássio em pó e colocou um pouco nos doces e uma pequena quantidade em dois copos de vinho. Eles deixaram alguns doces sem envenenar, para que Yusupov pudesse participar. Depois que tudo estava pronto, Yusupov e Lazovert foram buscar a vítima.

Por volta das 12h30, um visitante chegou ao apartamento de Rasputin pelas escadas dos fundos. Rasputin cumprimentou o homem na porta. A criada ainda estava acordada e olhava através das cortinas da cozinha; ela disse mais tarde que viu que era o Pequeno (Yusupov). Os dois homens saíram em um carro dirigido por um motorista, que na verdade era Lazovert.

Quando chegaram ao palácio, Yusupov levou Rasputin para a entrada lateral e desceu as escadas para a sala de jantar do porão. Quando Rasputin entrou na sala, ouviu barulho e música no andar de cima, e Yusupov explicou que Irina havia sido detida por convidados inesperados, mas que logo estaria em baixo. Os outros conspiradores esperaram até Yusupov e Rasputin entrarem na sala de jantar, depois ficaram na escada que levava a ela, esperando que algo acontecesse. Tudo até o momento estava planejando, mas isso não durou muito mais.

Enquanto esperava por Irina, Yusupov ofereceu a Rasputin um dos doces envenenados. Rasputin recusou, dizendo que eram muito doces. Rasputin não iria comer ou beber nada. Yusupov começou a entrar em pânico e subiu as escadas para conversar com os outros conspiradores. Quando Yusupov desceu, Rasputin, por algum motivo, mudou de idéia e concordou em comer os doces. Então eles começaram a beber o vinho.

Embora o cianeto de potássio devesse ter um efeito imediato, nada aconteceu. Yusupov continuou a conversar com Rasputin, esperando que algo acontecesse. Percebendo um violão no canto, Rasputin pediu a Yusupov que tocasse para ele. O tempo passou e Rasputin não mostrava nenhum efeito do veneno.

Eram cerca de duas e meia da manhã e Yusupov estava preocupado. Mais uma vez, ele deu uma desculpa e subiu as escadas para conversar com os outros conspiradores. O veneno obviamente não estava funcionando. Yusupov pegou uma arma de Pavlovich e desceu as escadas. Rasputin não percebeu que Yusupov havia retornado com uma arma nas costas. Enquanto Rasputin olhava para um lindo armário de ébano, Yusupov disse: "Grigory Efimovich, seria melhor olhar para o crucifixo e orar a ele". Então Yusupov levantou a pistola e atirou.

Os outros conspiradores correram escada abaixo para ver Rasputin deitado no chão e Yusupov em pé sobre ele com a arma. Depois de alguns minutos, Rasputin "estremeceu convulsivamente" e depois ficou imóvel. Como Rasputin estava morto, os conspiradores subiram as escadas para comemorar e esperar mais tarde da noite para que pudessem despejar o corpo sem testemunhas.

Continua vivo

Cerca de uma hora depois, Yusupov sentiu uma necessidade inexplicável de olhar o corpo. Ele desceu as escadas e sentiu o corpo. Ainda parecia quente. Ele sacudiu o corpo. Não houve reação. Quando Yusupov começou a se virar, notou que o olho esquerdo de Rasputin começou a se abrir. Ele ainda estava vivo.

Rasputin levantou-se e correu para Yusupov, agarrando seus ombros e pescoço. Yusupov lutou para se libertar e finalmente conseguiu. Ele correu para o andar de cima gritando: "Ele ainda está vivo!"

Purishkevich estava lá em cima e acabara de colocar o revólver Sauvage no bolso quando viu Yusupov voltar gritando. Yusupov estava enlouquecido de medo ", seu rosto estava literalmente perdido, seus lindos ... olhos tinham saído de suas órbitas ... e em um estado semi-consciente ... quase sem me ver, ele passou correndo com um olhar enlouquecido".

Purishkevich desceu as escadas correndo, apenas para descobrir que Rasputin estava correndo pelo pátio. Enquanto Rasputin corria, Purishkevich gritou: "Felix, Felix, vou contar tudo para a czarina".

Purishkevich estava correndo atrás dele. Enquanto corria, ele disparou a arma, mas errou. Ele atirou novamente e errou novamente. E então ele mordeu a mão para recuperar o controle de si mesmo. Mais uma vez ele atirou. Desta vez, a bala encontrou sua marca, acertando Rasputin nas costas. Rasputin parou e Purishkevich atirou novamente. Desta vez, a bala atingiu Rasputin na cabeça. Rasputin caiu. Sua cabeça estava tremendo, mas ele tentou engatinhar. Purishkevich havia se aproximado agora e chutado Rasputin na cabeça.

Entre na Polícia

O policial Vlassiyev estava de plantão na Moika Street e ouviu o que parecia "três ou quatro tiros em rápida sucessão". Ele foi investigar. Do lado de fora do palácio de Yusupov, ele viu dois homens atravessando o pátio, reconhecendo-os como Yusupov e seu servo Buzhinsky. Ele perguntou se eles haviam ouvido tiros, e Buzhinsky respondeu que não. Pensando que provavelmente fora apenas um carro que saiu pela culatra, Vlassiyev voltou ao seu posto.

O corpo de Rasputin foi trazido e colocado pelas escadas que levavam à sala de jantar do porão. Yusupov pegou um haltere de dois quilos e começou a bater Rasputin indiscriminadamente. Quando outros finalmente tiraram Yusupov de Rasputin, o suposto assassino estava coberto de sangue.

O servo de Yusupov, Buzhinsky, contou a Purishkevich sobre a conversa com o policial. Eles estavam preocupados que o oficial pudesse contar aos seus superiores o que ele tinha visto e ouvido. Mandaram chamar o policial para voltar para casa. Vlassiyev lembrou que quando ele entrou no palácio, um homem perguntou-lhe: "Você já ouviu falar de Purishkevich?"

Ao que o policial respondeu: "Eu tenho".

"Eu sou Purishkevich. Você já ouviu falar de Rasputin? Bem, Rasputin está morto. E se você ama nossa Mãe Rússia, ficará quieto sobre isso."

"Sim senhor."

E então eles deixaram o policial ir. Vlassiyev esperou cerca de 20 minutos e depois contou a seus superiores tudo o que tinha ouvido e visto.

Foi incrível e chocante, mas depois de ser envenenado, baleado três vezes e espancado com um haltere, Rasputin ainda estava vivo. Amarraram seus braços e pernas com corda e envolveram seu corpo em um pano pesado.

Como já era quase madrugada, os conspiradores agora estavam correndo para se desfazer do corpo. Yusupov ficou em casa para se limpar. O resto deles colocou o corpo no carro, acelerou para o local escolhido e atirou Rasputin sobre o lado da ponte, mas esqueceram de pesá-lo com pesos.

Os conspiradores se separaram e seguiram caminhos separados, esperando que tivessem escapado com assassinato.

A manhã seguinte

Na manhã de 17 de dezembro, as filhas de Rasputin acordaram ao descobrir que seu pai não havia retornado de seu encontro noturno com o Pequeno. A sobrinha de Rasputin, que também o vivia, ligou para Golovina para dizer que seu tio ainda não havia retornado. Golovina ligou para Yusupov, mas foi informado que ele ainda estava dormindo. Mais tarde, Yusupov retornou o telefonema para dizer que não tinha visto Rasputin a noite toda. Todos na casa Rasputin sabiam que isso era mentira.

O policial que conversara com Yusupov e Purishkevich havia dito ao seu superior, que por sua vez contou ao superior, sobre os eventos vistos e ouvidos no palácio. Yusupov percebeu que havia muito sangue lá fora, então atirou em um de seus cães e colocou seu cadáver em cima do sangue. Ele alegou que um membro do seu partido achou que era uma piada engraçada atirar no cachorro. Isso não enganou os policiais. Havia sangue demais para um cachorro e mais de um tiro foi ouvido. Além disso, Purishkevich havia dito a Vlassiyev que eles mataram Rasputin.

A Czarina foi informada e uma investigação foi aberta imediatamente. Era óbvio para a polícia desde o início quem eram os assassinos. Ainda não havia um corpo.

Encontrando o Corpo

Em 19 de dezembro, a polícia começou a procurar um corpo perto da Grande Ponte Petrovsky, no rio Malaya Nevka, perto de onde uma bota ensanguentada havia sido encontrada no dia anterior. Havia um buraco no gelo, mas eles não conseguiram encontrar o corpo. Olhando um pouco mais abaixo, encontraram o cadáver flutuando em outro buraco no gelo.

Quando o puxaram para fora, descobriram que as mãos de Rasputin estavam congeladas em uma posição elevada, levando à crença de que ele ainda estava vivo debaixo d'água e tentara desatar a corda em volta das mãos.

O corpo de Rasputin foi levado de carro para a Academia de Medicina Militar, onde foi realizada uma autópsia. Os resultados da autópsia mostraram:

  • Álcool, mas nenhum veneno foi encontrado.
  • Três feridas de bala. (A primeira bala entrou no peito à esquerda, atingindo o estômago e o fígado de Rasputin; a segunda bala entrou nas costas à direita, atingindo os rins; a terceira bala entrou na cabeça, atingindo o cérebro.)
  • Uma pequena quantidade de água foi encontrada nos pulmões.

O corpo foi enterrado na Catedral Feodorov, em Tsarskoe Selo, em 22 de dezembro, e um pequeno funeral foi realizado.

O que aconteceu depois?

Enquanto os acusados ​​estavam sob prisão domiciliar, muitas pessoas os visitaram e escreveram cartas parabenizando-os. Os assassinos acusados ​​estavam esperando um julgamento, porque isso garantiria que eles se tornassem heróis. Tentando evitar exatamente isso, o czar interrompeu o inquérito e ordenou que não houvesse julgamento. Embora seu bom amigo e confidente tenha sido assassinado, seus familiares estavam entre os acusados.

Yusupov foi exilado. Pavlovich foi enviado à Pérsia para lutar na guerra. Ambos sobreviveram à Revolução Russa de 1917 e à Primeira Guerra Mundial.

Embora o relacionamento de Rasputin com o czar e a czarina tenha enfraquecido a monarquia, a morte de Rasputin chegou tarde demais para reverter o dano. De qualquer forma, o assassinato de um camponês por aristocratas selou o destino da monarquia russa. Em três meses, o czar Nicholas abdicou e, cerca de um ano depois, toda a família Romanov também foi assassinada.

Fontes

  • "Rasputin: o santo que pecou", de Brian Moynahan; 1998
  • "The Rasputin File", traduzido por Judson Rosengrant; 2000


Assista o vídeo: Grigori Rasputín - Grandes Mortes na História Documentário (Junho 2022).


Comentários:

  1. Clinton

    Sinto muito, mas acho que você está cometendo um erro. Envie -me um email para PM, discutiremos.

  2. Benji

    Quero dizer que você não está certo. Posso defender minha posição. Escreva-me em PM.

  3. Satilar

    Você não é o especialista?

  4. Kiganos

    Eu me registrei especialmente para participar da discussão.

  5. Sterne

    SUPER conto de fadas!

  6. Mulabar

    Eu acho que você está cometendo um erro. Envie -me um email para PM, vamos conversar.

  7. Zolozshura

    Gonivo



Escreve uma mensagem